domingo, 16 de outubro de 2016

Como calcular o retorno dos seus investimentos


Maria possui uma carteira diversificada de investimento (renda fixa, ações e outros). Qual é a maneira correta de calcular o desempenho dessa carteira de investimentos?

Os investimentos de Maria se deram da forma abaixo:


Data Aporte Valor da carteira
01/janeiro R$ 5.000,00 R$ 5.000,00
31/janeiro R$ 5.250,00
Rendimentos janeiro R$ 250,00
Rentabilidade R$ 250,00 / R$ 5.000,00 = 5%
01/fevereiro R$ 1.000,00 R$ 6.250,00
28/fevereiro R$ 6.875,00
Rendimentos fevereiro R$ 625,00
Rentabilidade R$ 625,00 / R$ 6.250,00 = 10%
01/março R$ 4.000,00 R$ 10.875,00
31/março R$ 9,787,50
Rendimentos março -R$ 1.087,50
Rentabilidade -R$ 1.087,50 / R$ 10.875,00 = -10%

Variação do patrimônio


Aporte total: R$ 10.000 
Valor final da carteira: R$ 9,787,50 
Rendimentos: R$ 9,787,50 - R$ 10.000 R$ -215,50
Variação do patrimônio: R$ -215,50 / R$ 10.000 = -0,02%

A variação do patrimônio [(Valor final da carteira - Aportes) / Aportes] é uma forma bastante simples de acompanhamento. Se a variação do patrimônio for negativa, como no caso da Maria, a estratégia de investimento precisa ser revista, pois está ocorrendo perda de dinheiro. Se a variação for positiva, no entanto, precisamos de um método mais  sofisticado, pois esse método não leva em conta a inflação do período e não permite a comparação com outras formas de investimento (renda fixa, por exemplo).


Sistema de cotas


O método do sistema de cotas basicamente calcula a rentabilidade média da carteira, a partir da rentabilidade individual de cada período. No caso da Maria, o cálculo ficaria assim:

Rentabilidade de janeiro: 5%
Rentabilidade de fevereiro: 10%
Rentabilidade de março: -10%

Rentabilidade nos três meses: 
(1 + 0,05) x (1 + 0,10) x (1 - 0,10) - 1 =
= 1,05 x 1,10 x 0,90 - 1 =
= 1,0395 - 1 =
= 3,95%

Rentabilidade mensal:
(1 + 3,95%) ^ 1/3 - 1 =
= 1,30%

Para cálculos envolvendo taxas, veja a Calculadora de taxas.

Mas Maria teve prejuízo. Essa rentabilidade está correta? Está sim. O sistema de cotas não mede o desempenho do investimento, ele mede o desempenho da carteira. A carteira da Maria, apresentou, em média, uma rentabilidade de 1,30% ao mês. Mas Maria fez um investimento relativamento alto (R$ 4.000,00), em um período onde a carteira deu prejuízo, por isso o resultado final foi negativo. 

O sistema de cotas mede a rentabilidade média da carteira, desconsiderando a periodicidade e o tamanho dos aportes. Por isso, esse sistema é muito usado para medir o desempenho de gestores de fundos. Os gestores não tem controle sobre os aportes dos clientes e não seria justo penalizá-los se os clientes realizassem aportes somente nos períodos de menor rentabilidade.

Em inglês esse método é conhecido como Time weighted rate of return.


Taxa interna de retorno


Para nosso exemplo, podemos entender a Taxa interna de retorno (TIR) como a taxa mensal fixa de um investimento que daria a Maria o mesmo resultado que ela obteve com a sua carteira. 

É difícil calcular a TIR manualmente, então a melhor forma é usar a fórmula para TIR no Excel. Em português a fórmula é TIR e em inglês é IRR. No caso da Maria, teríamos que passar os seguintes valores para a fórmula: -R$ 5.000, -R$ 1.000, -R$ 4.000, R$ 9,787,50. Ou seja, os aportes como valores negativos e o valor final da carteira (e eventuais resgates) como valor positivo.

A taxa interna de retorno de Maria encontrada para Maria foi -1,02%. Ou seja, Maria obteria os mesmos resultados se aplicasse o seu dinheiro em um investimento que desse um prejuízo mensal de -1,02%.

A taxa interna de retorno leva em conta a rentabilidade da carteira e o fluxo de aportes e resgates. No caso de um fundo de investimento, a taxa interna de retorno indicaria ao cliente se o seu fluxo pessoal de aportes trouxe ou não um resultado adequado.

No contexto de retorno de carteiras, esse método é conhecido em inglês como Money weighted rate of return.


Conclusão


No caso de Maria, podemos tirar duas conclusões. 

O sistema de cotas mostra que a rentabilidade da sua carteira de investimentos é 1,30% ao mês. Ou seja, se ela tivesse feito todos os seus aportes no primeiro mês, teria obtido um rendimento final de 3,95% e a sua variação de patrimônio teria sido positiva.  Enquanto gestora do seu próprio fundo de investimento, Maria está atuando bem.

A taxa interna de retorno mostra que o resultado final do seu fluxo de aportes não foi positivo. Ela teria obtido o mesmo resultado se tivesse aplicado o seu dinheiro em um investimento com prejuízo de -1,02% ao mês. Enquanto cliente do seu próprio fundo de investimento, Maria não fez os aportes nos momentos mais adequados.

Fontes:

http://empresasemercados.blogspot.com.br/2014/07/calculo-de-retorno-de-carteiras.html

http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/04/calculando-de-forma-correta-seus.html

https://www.blueleaf.com/performance-reporting-choices-simplified/

The Math of the Fixed Rate Equivalent (FREQ)

4 comentários:

  1. Olá,
    Excelente artigo. Fiz um artigo com referência a este : https://oaportadorfinanceiro.blogspot.com.br/2016/10/taxa-interna-de-retorno-do-pgbl.html

    Já te adicionei na minha blogroll.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Aportador. Adicionado!

    ResponderExcluir
  3. Bom artigo Lux. Muito bem explicado.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, cowboy! Adicionado à minha lista.

      Excluir